5.000 anos a origem da vela
Não se sabe muito bem onde tudo começou uso das velas, mas há relatos que no antigo Egito era usada uma espécie de tocha, um junco embebido em gordura animal em que ateavam fogo e usavam para iluminar o ambiente.

Também foram encontradas evidências em outras civilizações, que usavam cera extraída de insetos e de plantas. A forma mais avançada na utilização do fogo foi encontrada na China, onde usavam papel de arroz enrolado como pavio.

Desde então a vela tem sido desenvolvida, sendo protagonistas das primeiras cerimônias religiosas como, por exemplo, o Hanukkah, festival de luzes judaico baseado na iluminação de velas. A bíblia também relata em várias passagens o uso das velas, como no século 4 d.C., em que o imperador romano, Constantino, utilizou as velas para celebrar a Páscoa.

Idade Média
Principalmente nos países ocidentais, eram usadas velas feitas de sebo animal, foi na idade média, apenas, que inseriram a cera de abelha para iluminar os ambientes. Essa cera, além de não emitir fumaça, possuía um cheiro agradável, mas seu uso era feito somente pela igreja e por uma ou outra família, pois era considerado um artigo caro e de luxo.

As velas de sebo de animal continuaram a ser de uso doméstico europeu. Em meados do século XIII, a fabricação de velas virou um ofício, onde muitos artesãos, na França e na Inglaterra, passaram a fabricá-las, a partir de gorduras de cozinha.